Buscar

7 de fevereiro de 2016

Zika e microcefalia: notas oficiais para esclarecimento da população



Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério da Saúde (MS) esclarecem Mitos e Verdades sobre os casos de zika e microcefalia.


Resumo: Elimar Jacob Salzer Rodrigues
Referências profissionais na página Perfil Completo

Fiocruz esclarece:

1. Casos em crianças menores de 7 anos, idosos e vetores.

MITO: Áudios circularam em grupos de Whatsapp mencionando a possibilidade e a existência de crianças menores de 7 anos e idosos com sintomas neurológicos decorrentes do vírus zika.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) esclarece que essas informações não têm fundamentação científica. 

Como outros vírus: varicela, enterovírus e herpes, o zika poderia causar, em pequeno percentual, complicações clínicas e neurológicas em adultos e crianças, sem distinção de idade.

Quanto ao vetor, atualmente, não existem estudos científicos que apontem para o envolvimento de outras espécies de mosquitos além do Aedes aegypti na transmissão da doença no Brasil.




2. Amamentação e transmissão sexual

MITO:  Não houve, até o momento, nenhum relato de caso em que tenha havido a transmissão do vírus zika para o bebê pelo leite materno.

A Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, coordenada pela Fiocruz, afirma que, por conta de todos os benefícios que o leite materno traz ao recém-nascido, incluindo o aumento da imunidade, a amamentação deve ser encorajada e incentivada mesmo em áreas endêmicas para o vírus zika.

VERDADE: Com relação à possibilidade de transmissão pelo sêmen, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (em inglês, Centers for Disease Control and Prevention - CDC), há apenas um caso relatado na literatura científica de transmissão do vírus zika por relação sexual.

O uso do preservativo é recomendado para prevenção de todas as doenças sexualmente transmissíveis.



3. Fiocruz Pernambuco - síndrome de Guillain-Barré e Zika 


MITO: O Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães (Pernambuco), notificou (26/11), por meio de nota oficial, qual era sua real contribuição nas pesquisas que envolvem o vírus zika e sua relação com a síndrome de Guillain-Barré, devido a informações equivocadas veiculadas pela imprensa a respeito do tema.

A Fiocruz  Pernambuco não desenvolveu em 2014 qualquer estudo e não realizou testes para identificação do vírus zika.

No entanto, dentro de um projeto de pesquisa voltado para o estudo da dengue, os pesquisadores identificaram, por diagnóstico molecular, dez amostras positivas com material genético do vírus zika, em um universo de 224 casos suspeitos de dengue investigados laboratorialmente.

A Fiocruz Pernambuco ressaltou que a identificação do tipo de comprometimento neurológico, seja Síndrome de Gulliian-Barré ou qualquer outra, não foi feita pelos pesquisadores da Fundação e sim por médicos neurologistas da rede assistencial de saúde.





Ministério da Saúde esclarece:

1. Os casos de microcefalia estão relacionados ao uso de vacinas vencidas?

MITO: O aumento de casos de microcefalia no país está associado ao vírus zika, que é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

Não há registro na literatura médica nacional e internacional sobre  a associação do uso de vacinas com a microcefalia. Todas as vacinas ofertadas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI) são seguras.

O PNI é responsável pelo repasse, aos estados, dos imunobiológicos que fazem parte dos calendários de vacinação. Uma das ferramentas essenciais para o sucesso dos programas de imunização é a avaliação da qualidade dos imunobiológicos.

O controle de qualidade das vacinas é realizado pelo laboratório produtor obedecendo a critérios padronizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).
Após aprovação em testes de controle do laboratório produtor, cada lote de vacina é submetido à análise no Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) do Ministério da Saúde.

Desde 1983, os lotes por amostragem de imunobiológicos adquiridos pelos programas oficiais de imunização vêm sendo analisados, garantindo sua segurança, potência e estabilidade, antes de serem utilizados na população.




2. O aumento do número de casos de microcefalia está relacionado ao uso de mosquitos com bactéria?

MITO: Não é verdadeira a informação de relação entre a incidência do vírus zika com os mosquitos portadores da bactéria Wolbachia.

Desde 2014, a  Fiocruz, em parceria com o Ministério da Saúde, desenvolve o projeto Eliminar a Dengue: Desafio Brasil que propõe o uso de uma bactéria naturalmente encontrada no meio ambiente, inclusive no pernilongo, chamada Wolbachia.

Quando presente no Aedes Aegypti, a bactéria é capaz de impedir a transmissão da dengue pelo mosquito. 

A iniciativa, sem fins lucrativos, é uma abordagem inovadora para reduzir a transmissão do vírus da dengue pelo mosquito de forma natural e autossustentável.

A pesquisa é inédita no Brasil e na América Latina. O estudo já foi realizado, com sucesso, na Austrália, Vietnã e Indonésia – onde não existem relatos de aumento dos casos de microcefalia.






3. O vírus Zika também pode causar Guillain-Barré? 

VERDADE: A síndrome de Guillain-Barré é uma reação, muito rara, a agentes infecciosos, como vírus e bactérias, e tem como sintomas a fraqueza muscular e a paralisia dos músculos.

A ocorrência da Guillain-Barré relacionada ao vírus continua
sendo investigada.

Os sintomas começam pelas pernas, podendo, em seguida, irradiar para o tronco, braços e face. 
A síndrome pode apresentar diferentes graus de agressividade, provocando  leve fraqueza muscular em alguns pacientes ou casos de paralisia dos membros.

O principal risco provocado por esta síndrome é quando ocorre o acometimento dos músculos respiratórios, devido a dificuldade para respirar. 

URGENTE - Nesse último caso, a síndrome pode levar à morte, caso não sejam adotadas as medidas de suporte respiratório.





4. O Ministério da Saúde mudou o parâmetro para identificar a microcefalia para esconder o número de casos? 


MITO: Todos os casos de crianças com microcefalia relacionada ao vírus zika serão investigados.

A mudança para o parâmetro do perímetro cefálico igual ou menor de 32 centímetros segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), é apoiada pela Sociedade Brasileira de Genética Médica e tem suporte da equipe do Sistema Nacional de Informação sobre Agentes Teratogênicos (SIAT).


Portanto, a nova medida visa a evitar que bebês sem a malformação sejam submetidos a uma série de exames desnecessários.


####################


PERGUNTA: NESTE TRISTE BRASIL, PODEMOS TER TOTAL CONFIANÇA NAS INFORMAÇÕES ACIMA?



CONVITE: VEJA OUTRO TEXTO SOBRE ESSE ASSUNTO NA PÁGINA "FALA QUEM SABE" DESSE BLOG.


4 comentários:

  1. Angela Halfeld Clark07/02/2016 19:25

    Artigo importante e essencial nesta situação, que enfrentamos nos dias de hoje.A ´divulgação é primordial

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Elimar.
    Muito esclarecedor o artigo.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada
    Fiquei satisfeita com o artigo.
    Muito esclarecedor.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada
    Fiquei satisfeita com o artigo.
    Muito esclarecedor.

    ResponderExcluir

PARA ENRIQUECIMENTO DESTE TEXTO, ENVIE O SEU COMENTÁRIO OU PERGUNTA.